segunda-feira, 22 de outubro de 2012

A LUTA PELA GUARDA DE QUEM CARREGUEI 9 MESES.


Estamos no final de 1995, nesta época já havia me separado do pai dos meus filhos ( Luiz Otávio), que foi embora da minha casa levando absolutamente tudo, deixando apenas aquilo que não pode arrancar de dentro de um imóvel que nem dele era: um vaso sanitário e as janelas, para montar casa com uma amante que vivia dentro de minha casa na condição de amiga. Essa mulher mais velha do que eu 10 anos ( chamada Célia) era casada e mãe de dois filhos - ela traía o marido com o meu marido. Quando o marido dela descobriu todo o enredo que envolvia os dois coleguinhas de trabalho, meu marido teve de escondê-la em algum lugar. Para isso, alugou um imóvel e se arrancou para lá com ela levando todas as minhas coisas, inclusive roupas e documentos meus e de meus filhos ( e nunca os devolveu).
Por conta do problema da guarda dos filhos, pois ele os pegava e não devolvia, tive que entrar com uma ação judicial pedindo a guarda provisória até que a questão fosse resolvida na judicialmente. E quando chegou o momento, minha mãe teve de ser arrolada, pois durante o período que o processo corria, tínhamos visitas surpresa com a Assistente Social, e como na minha casa não tinha nada, ia para a casa de minha mãe, coisa que nem sempre deixava eu entrar. Com isso, ela foi manipulando a Assistente Social, colocando coisas na cabeça da mulher... que morava num imóvel dela e não tinha condições para nada nem para me manter,pois não trabalhava, portanto sem condições financeiras de arcar com 3 filhos. Na realidade o que ela queria era pegar a guarda das crianças e me tirar de dentro do apartamento que morava, sem se importar se tinha ou não para onde ir, já que não trabalhava.
No dia da  audiência eu contei com a ajuda do meu marido, que não pagava pensão, mas tinha um bom advogado, e da minha mãe, que disse ao juiz que não podia ficar com os filhos porque não tinha um trabalho e nem como alimentá-los...os dois mancomunados contra mim. Minha mãe ao juiz que tinha toda condição de ficar com a guarda dos netos, porque era aposentada recebia uma boa aposentadoria, mas precisava que eu desocupasse o imóvel para que complementasse a renda em prol das crianças.
O juiz, que não é bobo nem nada, fez a seguinte pergunta para ela.
- A senhora está dizendo que sua filha até o momento que estava casada, tinha deixado de trabalhar para cuidar da educação de seus filhos e que, portanto, ao se separar, estava desatualizada e fora do mercado de trabalho.Então a sua filha não tem um trabalho e não tem condições de sustentar financeiramente seus filhos, certo? A senhora também disse, que não precisa que o pai das crianças dê qualquer coisa ( $) para o sustento deles, mas alega que sua filha precisa sair da moradia dela para que a senhora alugue o imóvel em prol das crianças. Já ex-marido da sua filha  foi  embora de casa  levando tudo que havia dentro, e após 1 ano de separação não pagava pensão ou dava qualquer ajuda no sustento das crianças.Então a senhora vem pedir a guarda de seus netos e eu lhe pergunto: Onde sua filha vai receber os filhos nos dias de visita, já que a senhora diz que ela não tem onde morar ( caso tenha de sair do imóvel que mora hoje) e que não a quer na sua casa?
Na verdade minha mãe nunca se conformou em ser avó, sempre quis o meu lugar de mãe, e se meteu na minha vida assintosamente depois que meu pai morreu, dando a eles uma vida que não poderia oferecer, já que estava na estrada com 3 filhos completamente sozinha e sem ter com quem contar. E não teve o menor problema de consciência  em prejudicar a minha imagem com a clara intenção de pegar a guarda deles.
Quem tem uma mãe dessas não precisa de mais inimigos por um longo tempo, pois a única coisa que queria era ser mãe e até isso me foi subtraído... o direito de ter ao meu lado quem carreguei por 9 meses.
A intenção de relatar a minha história neste blog que está sendo construído e  que ainda está fora de sua ordem cronológica, é que primeiro as pessoas se reconheçam, depois  a de que as pessoas ( que se interessarem um dia)conheçam a minha versão, já que nunca me deram a oportunidade de contar. Talvez por total falta de interesse na minha pessoa, já que não possuo algo material para oferecer. Já que a vida é uma eterna troca ( não nesse sentido para mim).

AQUI EU VOMITO A VIDA... A AULA DE "BOM MOCISMO"  É NO PRÉDIO AO LADO.


2 comentários:

Sandra Carvalho disse...

vivo uma situação muito parecida com a sua. sou super solidária, mas de mim ninguém tira inhas filhas, até pq elas tem muito bem definidos a mãe q elas tem e do orgulho q sentem por eu sustent´-las sozinhas, mesmo ganahndo pouco e ñ tendo ajuda....conto com uma pessoa maravilhosa q cuida delas p eu trabalhar...seres humanos inigualáveis....e vivo num imóvel q só uso p vir dormir, visto q a família dele diz ser dele...tenho vontade de sair daqui e recomeçar com as meninas em outro lugar e rezo p q este dia chegue...conte comigo querida...

Sandra Carvalho disse...

vivo uma situação muito parecida com a sua. sou super solidária, mas de mim ninguém tira inhas filhas, até pq elas tem muito bem definidos a mãe q elas tem e do orgulho q sentem por eu sustent´-las sozinhas, mesmo ganahndo pouco e ñ tendo ajuda....conto com uma pessoa maravilhosa q cuida delas p eu trabalhar...seres humanos inigualáveis....e vivo num imóvel q só uso p vir dormir, visto q a família dele diz ser dele...tenho vontade de sair daqui e recomeçar com as meninas em outro lugar e rezo p q este dia chegue...conte comigo querida...